Urgências 939 571 715
Abertos todos os dias
das 10h às 22h

FAQs

Q?A castração resolve a marcação de território?
A.

Desde que não se deixe instalar o hábito de urinar em locais inapropriados, a castração geralmente resolve este problema. No caso de se esperar muito tempo (meses), pode-se tornar num hábito, deixando de ser uma questão de marcação. A castração não resolve maus hábitos, apenas comportamentos resultantes da atividade hormonal.

Q?A partir de que idade posso castrar o meu gato?
A.

A castração pode ser feita a partir dos 6-9 meses, dependendo da desenvoltura e do comportamento do gato. Se o gato ainda não estiver a marcar território ou a querer acasalar com uma fêmea com quem convive, aconselha-se a aguardar o mais possível, de modo a haver um bom desenvolvimento das vias urinárias.

Q?A partir de que idade posso vacinar o meu cão?
A.

Habitualmente os cachorros são vacinados contra a Esgana, Parvovirose, Leptospirose, Hepatite Infecciosa e Tosse de Canil a partir das 8 semanas, sendo o reforço feito às 12 semanas. Em algumas situações os cachorros podem ser vacinados contra a Esgana e a Parvovirose às 6 semanas. É o caso de animais de risco, como animais de canis ou nascidos de uma mãe não vacinada. Nestes casos continua a ser necessário administrar as duas doses da vacina completa.

Q?A partir de que idade posso vacinar o meu gato?
A.

Os gatinhos só podem ser vacinados a partir das 8 semanas, contra a Rinotraqueíte Infecciosa Felina, Calicivirose, Panleucopénia, Clamidiose e eventualmente a Leucose Felina. O reforço é feito 4 semanas mais tarde.

Q?Com que frequência devo desparasitar o meu cão/gato?
A.

A frequência de desparasitação depende de uma série de variáveis: se o animal vai à rua, se come ervas, se come fezes ou lambe a zona perianal de outros animais (comportamento social normal), o tipo de alimentação, se vive num meio rural ou urbano, se convive com crianças, idosos ou pessoas imunodeficientes. A desparasitação é feita em média a cada 3-4 meses. Nos casos em que o animal não sai de casa, não convive com crianças, recomenda-se desparasitar o animal no mínimo 2 vezes por ano. Nos animais de risco elevado de parasitismo podem ser desparasitados com muito mais frequência.

Q?Como posso evitar que a minha cadela/gata se reproduza?
A.

A maneira mais eficaz e com melhor impacto para a saúde é a ovariohisterectomia (esterilização), antes do primeiro cio, pois é a melhor forma de prevenir as neoplasias mamárias. Desaconselha-se vivamente os medicamentos hormonais (pílulas ou injecções), pois aumentam a probabilidade de ocorrência de neoplasia mamário e de infecções uterinas.

Q?Encontrei um cão, o que devo fazer?
A.

Em primeiro lugar há que levá-lo ao veterinário para fazer a leitura do microchip. Se o animal o tiver, é muito fácil entrar em contato com o dono. Se não tiver, há que comunicar com o canil municipal, onde já pode ter sido comunicado o desaparecimento do animal, e onde as pessoas vão procurar os seus animais. Depois os procedimentos são os mesmos que para quem perde um animal:

  • Procurando-o no Ponto de Encontro de Animais Perdidos: http://findmypet.omv.pt
  • Procurando e anunciando no www.encontra-me.org
  • Distribuir anúncios em locais públicos/veterinários (os cartazes podem ser gerados a parir do encontra-me.org)
  • Falando com veterinários da zona
  • Utilizar as redes sociais para divulgar o desaparecimento.
Q?Não posso guardar o meu cão e quero dá-lo a um amigo. O que devo fazer?
A.

Se pretender dar o seu cão a outra pessoa (amiga ou não), deve comunicá-lo a todas as entidades em que o cão esteja registado no seu nome, de modo a deixar de ser oficialmente responsável por ele. O primeiro passo é escrever uma declaração em como cede o seu cão ao futuro dono, que deve estar devidamente identificado nessa mesma declaração. Essa declaração permite fazer a transferência de propriedade em relação ao microchip. O médico veterinário trata da transferência na base de dados, mas só o pode fazer mediante a referida declaração. Caso essa transferência de propriedade não seja feita, o proprietário que consta na base de dados é oficialmente responsável por eventuais acidentes de viação ou agressões causados pelo animal, ou em caso de abandono do mesmo, com consequente aplicação de coimas/presença perante a justiça. Esta comunicação de transferência de propriedade deve ser ainda comunicada pelo proprietário cessante à junta de freguesia onde o animal esteja registado e eventualmente Clube Português de Canicultura, no caso de animais com LOP. Por último, o proprietário cessante deve ainda facultar ao novo proprietário toda a documentação relativa ao animal (formulário do microchip, LOP, boletim de vacinas e eventual passaporte), bem como o contato do veterinário habitual, de modo ao novo veterinário poder ter acesso ao historial clínico do animal.

Q?O meu cão costuma comer as próprias fezes ou as de outro animal. É normal?
A.

O comer fezes pode ser sinal de uma deficiência nutricional, ou pode ser uma questão comportamental. Se o cão estiver a comer uma dieta comercial equilibrada, a propabilidade de deficiência nutricional pode ser posta de parte. Na verdade, o comer as fezes é um comportamento que vem dos antepassados do cão. Comiam as fezes para melhor aproveitar os nutrientes desperdiçados, uma vez que nem sempre havia disponibilidade de alimento. É um comportamento que pode ser controlado, mediante uma série de medidas tomadas por parte do dono.

Q?O meu cão senta e começa a andar arrastando o “traseiro” no chão. É normal?
A.

O “andar de trenó” é sinal de prurido anal, que pode ser secundário a parasitismo, impactação das glândulas anais (glândulas cheias), ou dermatite/alergia.

Q?Perdi o meu cão/gato, o que posso fazer?
A.

Em primeiro lugar, há que informar as autoridades e o canil municipal, principalmente se tiver chip, para evitar problemas. Deve-se também informar as bases de dados em que o animal esteja registado SIRA (Tlf. 213 257 812) ou SICAFE (Tlf. 217 808 208).

Em seguida há que procurar ativamente o animal:

  • Ir ao Canil Municipal: pode já lá estar.
  • Procurando-o no Ponto de Encontro de Animais Perdidos: findmypet.omv.pt
  • Procurando e anunciando no www.encontra-me.org
  • Distribuir anúncios em locais públicos/veterinários (os cartazes podem ser gerados a parir do www.encontra-me.org)
  • Falando com veterinários da zona
  • Utilizar as redes sociais para divulgar o desaparecimento.
Q?Posso dar comida húmida ao meu gato?
A.

Uma vez que o gato é um animal que bebe pouca água, precisa de obter para da água através da alimentação. Nesse sentido, até é desejável dar alguma comida húmida. No entanto, não deve ser a base da alimentação, pois predispõe mais à obesidade. Existem vários tipos de comida húmida no mercado. É recomendável dar algo que seja mais “natural”, com baixo teor de gordura.

Q?Quando é que posso desparasitar o meu cão/gato?
A.

Aconselha-se a desparasitação regular a partir dos 15 dias de vida.

Q?Vou viajar para o estrangeiro com o meu cão/gato. O que preciso fazer?
A.

Tudo depende do país de destino e se regressa ou não a Portugal.

Para saber os requisitos, consulte o site da Direção Geral de Alimentação e Veterinária. Clique aqui para mais informações.